19 março 2014

Seio


Não se sente a vida na festa.
Não é no brinde, nem na risada, nem ao se abrir a embalagem do presente.

Senti a vida quando você me deixou.
E você. E depois você.

Vejo as crianças e nelas há o perigo da tragédia:
Na vida e no amor: uns matarão e outros morrerão.
Nós que estamos do lado dos que morrem, é o pior destino.
O mais cruel, desumano.
Só elas sabem que não há um deus.

Aquele afogado, aquela pessoa na linha do trem:
No último minuto ela soube: um pouco mais de amor e a salvação.

Não se sente a vida até que alguém não se importe.
Não se sente a vida até que se morra.

Tantas pessoas no mundo não tem a capacidade de amar.
E você cruza o caminho da pior delas.

Mas você também tem seus monstros.
Mas o que ninguém sabe é que você os alimenta com amor.
E você não sabe que é por isso que eles crescem tão fortes.

E matam você no exato momento que sentem a vida.




Um comentário:

evelyne freitas disse...

"... Mas o que ninguém sabe é que você os alimenta com amor.
E você não sabe que é por isso que eles crescem tão fortes."

é bem isso mesmo!